• A descoberta...

  • As marcas do tempo...

  • Um mundo por descobrir...

  • Formações duma beleza ímpar...

  • Luz...

Anfíbios

Os anfíbios são animais cujo ciclo de vida se desenvolve em dois ambientes distintos: terrestre e aquático. Geralmente, a fase larvar desenvolve-se na água e após várias metamorfoses atingem o estado adulto, sendo que muitas espécies nessa fase passam a ter uma vida terrestre. Os anfíbios colonizam uma grande variedade de ambientes aquáticos, tais como charcos, rios, ribeiras, poças, tanques, reservatórios e represas, terrenos alagados e minas de água. Também em terra conseguem ocupar uma grande variedade de locais e latitudes, nomeadamente grutas e algares.

 

Plano de Monitorização de anfíbios nas cavidades

Objectivo: conhecer as espécies de anfíbios que utilizam as cavidades; a forma como as utilizam e qual a importância dessas comunidades para a conservação deste grupo faunístico.

Os anfíbios têm vindo a regredir tanto devido à perda de habitat como à degradação da qualidade deste. A poluição, a construção de infra-estruturas em zonas húmidas ou a introdução de espécies exóticas são alguns dos catalisadores responsáveis pelo declínio das populações de anfíbios.

Embora se possa considerar que este é um grupo faunístico relativamente bem estudado, particularmente dada a serem animais fáceis de encontrar e monitorizar como ao diminuto número de espécies, sendo conhecidas 18 espécies em Portugal continental. No entanto, pouco se sabe da utilização que estes animais fazem das cavidades, tal como grutas, algares ou minas.

A recolha de dados sobre os anfíbios que encontramos durante as nossas actividades espeleológicas irão contribuir para compreender que espécies utilizam estes locais, se a utilização é acidental ou não, se se reproduzem nesses locais, entre outras questões. Por isso contamos com todas as associadas e espeleólogos para a recolha destes mesmos dados que podem ser enviados para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Texto - Bárbara Monteiro

Login


Fédération Séléologique Européenne
Union Internationale de Spéléologie